São Miguel Garicots

14 de maio

Nada mais posso fazer a não ser admirar, adorar e amar a iniciativa da Providência divina. Oh, quanto é importante esta condição: ser pobres instrumentos!

Miguel nasceu em Ibarre, entre as montanhas dos Pireneus, não muito distante da fronteira com a Espanha. Estudou pouco, porque, em sua família, havia outros quatro filhos, e faltava dinheiro. Por isso, foi obrigado a ser pastor de rebanho.

Enquanto pastoreava seu rebanho, detinha-se a conversar com outros pastores, sobre assuntos difíceis de se entender, inadequados para um jovem como ele. Tanto é verdade que ele foi, logo, denominado "doutorzinho". Mas, foi precisamente a partir das suas origens humildes e da sua família, rica apenas de coragem, que Miguel obteve a força de empreender o caminho para a santidade.


Quando o exemplo é tudo

A educação e o testemunho, que recebemos de nossos pais, quando ainda éramos crianças, não são tudo, mas muito. Seus pais, por exemplo, viviam uma fé tão autêntica, a ponto de os levar a "fugir" para os países Bascos, na Espanha – pouco distante da fronteira francesa - para se casar na igreja e batizar seus cinco filhos.

Além do mais, durante os anos de Terror da Revolução Francesa, a avó, correndo risco de vida, esconde e ajuda, em sua casa, um sacerdote, que, por reconhecimento, dava as primeiras lições a Miguel, que demonstrava uma inteligência excepcional.

Porém, ele não conseguiu fazer a Primeira Comunhão, antes dos 14 anos, que lhe foi motivo de grande tristeza.

Em 1819, finalmente, conseguiu entrar para o seminário em Dax. Recebeu o sacerdócio, em 1823, e, dois anos depois, foi enviado ao seminário de Bétharram, onde foi professor de filosofia e, por fim, realmente doutor.


A França após a Revolução

A época, em que Miguel viveu, era particularmente difícil para a Igreja na França. A Revolução havia destruído tudo: igrejas, obras religiosas, muitas Congregações desapareceram e não foram substituídas. Até no seio da própria Igreja havia sacerdotes chamados "constitucionalistas", - que juravam lealdade à nova Constituição imposta pelo Estado, - contrários aos ditos "refratários", que permaneceram fiéis ao Papa.

Naquele contexto dilacerado, o jovem Padre Miguel, que era confessor das Filhas da Cruz, entrou em contato com a vida religiosa, sendo confidente de muitos Bispos que se queixavam de insubordinação de tantos padres; ele então decidiu adotar total obediência a seu próprio bispo como o princípio básico de sua missão. A semente é lançada.


O santo de "Aqui estou eu!"

Miguel ficou em Betharram, no belo seminário às margens do Gave. Aqui ele leva uma existência atormentada e vê ao seu redor: sacerdotes despreparados e desorientados, tateando no escuro, em vez de trazer aos outros a luz da fé. Algo está amadurecendo dentro dele: ele entende isso em 1833, quando reúne o primeiro grupo de padres que voluntariamente assumem a missão de re-cristianizar o campo abandonado e educar os jovens. Essas são as duas atividades mais urgentes.


Muitas são as adesões que ele recebe e, dois anos depois, nasce a nova família religiosa dos Sacerdotes do Sagrado Coração de Jesus - então conhecidos como sacerdotes de Bétharram - uma comunidade concebida para servir a Igreja com voluntários para enviar e apoiar o clero em seminários, paróquias e faculdades com o objetivo de revitalizar a fé. Logo, um grupo de padres partiu para uma missão na Argentina, onde a Igreja tem as mesmas necessidades. Mas também existem conflitos com o bispo, que gostaria de manter o trabalho dentro da diocese, enquanto Miguel aspira ao reconhecimento pontifício, que ocorrerá somente em 1875, após sua morte.


Os últimos anos e morte

Mas há também bispos que consideram Miguel muito atencioso, como o de Tarbes, que em 1858 o envia duas vezes para encontrar Bernadette Soubirous, que tem aparições regulares da Virgem Maria nas proximidades de Lourdes.


Ele se torna um dos maiores apoiadores da pequena vidente e agora também sente o conforto da proximidade de Nossa Senhora. Enquanto isso, ele já está doente: em 1853, ele foi vítima de uma paralisia e depois venceu, mas a doença não o descansa e quase sempre o obriga a dormir. Ele retorna à casa do Pai em 1863. Seus padres, a essa altura, estão espalhados por toda a América do Sul. Pio XII proclamou-o santo em 1947.


Fonte: Vatican News

Clique aqui para conhecer mais histórias de outras santas e santos.

1 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Siga nossas redes sociais

  • Facebook
  • Twitter
  • YouTube
  • Instagram

“Cristo é simultaneamente o conteúdo e a fonte do que a Igreja comunica ao proclamar o Evangelho”.

 

Aetatis Novae, Instrução Pastoral do Pontifício Conselho Para as Comunicações Sociais.