top of page

Sínodo entra na reta final

"Atenção às armadilhas sobre modos de pensar que não são de Deus"


Foto: Cathopic

À medida que o principal encontro do Papa Francisco sobre o futuro da Igreja Católica entra na sua última semana, os bispos e leigos foram lembrados da ênfase do Concílio Vaticano II na tradição viva da Igreja, incluindo a participação e inclusão de todo o Povo de Deus.

A reportagem é de Christopher White, publicada por National Catholic Reporter, 23-10-2023.

Quando os delegados começaram a trabalhar no tão aguardado documento final do Sínodo dos Bispos, o Pe. Ormond Rush – um dos principais estudiosos do Vaticano II no mundo – encorajou os mais de 450 membros do evento a estarem atentos às “armadilhas” de “serem arrastados para formas de pensar que não são ‘de Deus’".

“Essas armadilhas podem residir em estar ancorado exclusivamente no passado, ou exclusivamente no presente, ou em não estar aberto à plenitude futura da verdade divina para a qual o Espírito da verdade está conduzindo a Igreja”, disse Rush em 23 de outubro. Discernir a diferença entre oportunidades e armadilhas é tarefa de todos os fiéis – leigos, bispos e teólogos – de todos”.

As observações de Rush, feitas durante uma das sessões abertas ocasionais do Sínodo, basearam-se fortemente nos escritos do falecido Papa Bento XVI. Como padre Joseph Ratzinger, o futuro cardeal e pontífice, participou do Concílio Vaticano II e serviu como redator de alguns de seus textos principais. Na época, Ratzinger articulou uma distinção entre os chamados entendimentos “estáticos” e “dinâmicos” da tradição católica.

Rush disse que a “tradição viva” da Igreja, conforme ensinada pelo Concílio, é guiada pelo Espírito Santo através dos meios inter-relacionados do trabalho dos teólogos, da experiência vivida dos fiéis da Igreja e da supervisão das autoridades eclesiásticas.

"Parece uma Igreja sinodal, não é?" Rush perguntou. Nas últimas semanas, alguns delegados sinodais expressaram ceticismo sobre a inclusão de leigos no Sínodo dos Bispos. Alguns delegados também expressaram frustração com a discussão de questões na assembleia - como uma melhor inclusão de pessoas LGBTQ e da liderança feminina na Igreja - que, segundo eles, foram previamente resolvidas pela tradição.

Rush, que foi conselheiro teológico do escritório do Sínodo do Vaticano, pareceu oferecer uma resposta indireta a esses críticos em seus comentários, observando que o Concílio ensinou que a revelação divina não é algo do passado, mas sim um "encontro contínuo do passado no presente".

“O mesmo Deus, no mesmo Jesus Cristo, através da iluminação e capacitação do mesmo Espírito Santo, está sempre envolvido e dialogando com os seres humanos no sempre novo aqui e agora da história que incansavelmente move a humanidade para novas percepções, novas questões e novos insights, em diversas culturas e lugares, à medida que a Igreja mundial percorre o tempo em direção a um futuro desconhecido até o escaton", disse ele.

“Este Sínodo é um diálogo com Deus”, disse ele aos delegados, que agora se preparam para começar a fazer recomendações para o relatório final da assembleia. "Deus está esperando sua resposta".

Rush falou em 23 de outubro durante o que provavelmente será a última sessão transmitida ao vivo do Sínodo. Os participantes agora se reunirão em pequenos grupos ao longo desta semana para discussões sobre o documento final da assembleia, que será votado na noite de 28 de outubro.

Nos próximos dias, os delegados sinodais também deverão votar a publicação de uma breve e separada “Carta ao Povo de Deus”, que pretende transmitir a experiência geral do processo sinodal.

Espera-se que ambos os documentos forneçam um quadro para outras áreas de reflexão e envolvimento com os níveis locais da Igreja, antes da segunda sessão do Sínodo em outubro de 2024.

No início do encontro de 23 de outubro, o padre dominicano Timothy Radcliffe disse que enquanto os delegados do Sínodo se preparam para voltar para casa, eles serão questionados: “De que lado você está?” quando questionado sobre algumas das questões controversas do Sínodo.

“Precisamos estar profundamente orantes para resistir à tentação de sucumbir a esta forma de pensar político-partidária. Isso seria cair novamente na linguagem estéril e árida de grande parte da nossa sociedade. Não é a forma sinodal”, disse. Radcliffe, que também liderou um retiro de três dias para os delegados antes do início do Sínodo.

“O processo sinodal é orgânico e ecológico e não competitivo”, disse ele. “É mais como plantar uma árvore do que vencer uma batalha e, como tal, será difícil para muitos entenderem, às vezes incluindo nós mesmos!”

"Mas se mantivermos as nossas mentes e corações abertos às pessoas que conhecemos aqui, vulneráveis às suas esperanças e medos, as suas palavras germinarão nas nossas vidas, e as nossas nas deles. Haverá uma colheita abundante, uma verdade mais plena". Ele continuou. "Então a igreja será renovada".

Direto do IHU Unisinos

Comments


Destaques

Anuncie aqui
bottom of page