Santo Osvaldo de Worcester

29 de fevereiro

Osvaldo, de origem dinamarquesa, era sobrinho de Odo, arcebispo de Cantuária, e parente de Oskyll, arcebispo de York. Educado sob os cuidados de seu tio, recebeu as santas ordens e tomou-se decano do cabido de Winchester. A vida levada pelo clero secular não lhe agradava de modo nenhum; alimentava o desejo de ingressar numa abadia beneditina, o que de fato realizou, tomando o hábito monástico em Fleury-sur-Loire, na França.


Seu tio, no leito de morte, fez saber a Osvaldo que desejava tê-lo junto a si nos últimos momentos; mas o jovem monge, apenas desembarcado em Douvres, soube que o arcebispo de Cantuária acabara de expirar. Foi, portanto, a York ter com o seu outro parente, que o acolheu com bondade e convenceu a acompanhá-lo numa viagem a Roma. Na volta dessa viagem, Osvaldo ficou em Fleury-sur-Loire, e com ele Germano, jovem que se tomara seu amigo durante a viagem. Mas Oskyll, desejando fazer certas reformas em sua diocese, chamou Osvaldo para junto de si, a fim de tomar parte ativa na administração diocesana.


Nomeado bispo de Worcester, Osvaldo mostrou-se ativo, justo, hospitaleiro, generoso para com os pobres; tomou-se assim mui amado por seus diocesanos. Em comum entendimento com Dunstan, arcebispo de Cantuária – que influenciara em sua nomeação episcopal – e Ethelwold, bispo de Winchester, restabeleceu a disciplina monástica, procedendo sempre com grande doçura.


Foi nomeado arcebispo de York, em 972, pelo rei Eadgar, conservando, contudo, a administração da diocese de Worcester para levar a cabo a reforma dos mosteiros. Para fazer da abadia de Ramsay centro de estudo científico, fez vir de Fleury o monge Abbon, que aí ficou dois anos, isto é, até sua eleição como abade de Fleury. Como o clero da catedral de Worcester recusasse aceitar a reforma imposta por Osvaldo, este mandou construir aí uma abadia e uma igreja dedicadas a Nossa Senhora. Instalou aí beneditinos, que frequentemente visitava, e com isso a igreja abacial acabou se tomando igreja catedral. Teve Osvaldo grande devoção pelas relíquias dos santos. Na quaresma costumava lavar diariamente os pés de doze pobres; no dia 29 de fevereiro de 992, pelo fim dessa cerimônia, entregou a alma a Deus, ao canto da doxologia “Glória ao Pai”.


Homem de grande santidade, ativo, generoso e bom, Osvaldo apreciava também a ciência. Favoreceu o seu desenvolvimento nos mosteiros, que estiveram sob seus cuidados. Muitos milagres se produziram em seu túmulo, e seu nome foi inscrito nos calendários. Alguns o deram como mártir, mas erradamente, confundindo-o com o seu homônimo, o rei Osvaldo. Sua comemoração é feita em geral no dia 29 de fevereiro, embora também se encontre em outras datas, em outros calendários.


Fonte: Franciscanos.org.br

Clique aqui para conhecer mais histórias de outras santas e santos.

1 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo