top of page

CF 2023 é homenageada na Câmara

Dom Peruzzo e coordenação receberam diplomas de reconhecimento pelas ações da Campanha da Fraternidade

Dom Peruzzo e Leonildo Monteiro durante homenagem. Foto: Joka Madruga/Fraterno72.net


Por Sandra Nassar


A Câmara de Vereadores de Curitiba promoveu sessão solene na noite desta quarta-feira (5) em homenagem à Campanha da Fraternidade 2023 (CF), que tem por tema Fraternidade e Fome e o lema: “Dai-lhe vós mesmos de comer”. Receberam diplomas de reconhecimento pelas ações da campanha o arcebispo metropolitano de Curitiba, dom José Antonio Perruzo, e a coordenadora arquidiocesana da CF, Solange Bez.


A homenagem foi proposta pelos vereadores Angelo Vanhoni e Professora Josete. Vanhoni justificou a proposição dizendo ser testemunha de longa data da mobilização feita pela Igreja Católica a nível local e em todo o país para socorrer os mais necessitados, sobretudo durante a pandemia da Covid-19, período que evidenciou ainda mais as desigualdades sociais.


“E o tema da Campanha da Fraternidade deste ano, com foco na fome, nos mostra que devemos lutar de todas as formas contra as desigualdades. E mais: precisamos é criar o reino da fraternidade, o que é mais difícil até, porque envolve a criação de um ambiente de afeto na sociedade, onde possamos efetivamente vivenciar a fraternidade”, acrescentou o vereador.


Ao agradecer a homenagem, dom Peruzzo disse que a problemática social da fome não terá solução enquanto a justiça social for pensada como um subproduto de um regime econômico baseado na competição, onde sempre haverá vencedores e derrotados. Afirmou que a CF não acabará com os problemas sociais, mas sim conscientizar os católicos para necessidade de agir. “Qualquer experiência de fé confinada ao templo perde a credibilidade”.


OLHAR E AGIR - A coordenadora arquidiocesana da CF, Salete Bez, disse que a campanha se constrói no dia a dia e que se trata de uma iniciativa motivacional para toda a sociedade pensar e enfrentar a fome. “A fome nos incomoda muito. O alimento é o primeiro direito de sobrevivência e, em pleno século 21, quando somos avanços em tanta tecnologia, continuamos lutando por irmãos que não têm acesso à alimentação”, afirmou.


Citando a passagem do Evangelho de Mateus, que inspirou o lema da CF 2023, Salete lembrou se tratar de uma ordem e não um pedido de Jesus: dai-lhe vós mesmos de comer. “A partir daí devemos refletir sobre o que estamos fazendo como sociedade para atender a essa ordem”, afirmou, lembrando que o objetivo geral da CF é sensibilizar a sociedade para o enfrentamento da fome, por meio de compromissos que possam transformar essa realidade.



“E não se trata de qualquer ação. Somos chamados a atender a ordem de Jesus com responsabilidade, primeiro enxergando o problema, sem jogar para debaixo do tapete, porque a fome é uma vergonha”, afirmou Salete, defendendo um olhar para além dos números frios das estatísticas. “Atrás dos números há famílias inteiras, são 125 milhões de brasileiros vivendo em insegurança alimentar e 33 milhões em situação grave, que passam fome”.


Depois do olhar, continuou a coordenadora, vem o agir. “A fome nos desafia, nos desinstala, e o motor do nosso agira para mudar essa realidade e a própria mística do seguimento de Jesus: eu vim para que todos tenham vida, e vida plena, que significa a construção de estruturas sociais justas, de políticas públicas para além das muitas ações sociais promovidas pela Igreja, por meio de suas paróquias. E essa luta, para que o Reino de Deus aconteça, é diária”, acrescentou.


Também foram homenageados Leonildo Monteiro, coordenador regional do Movimento Nacional da População de Rua, e Adriana Oliveira, do Marmitas da Terra, coletivo ligado ao Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST). Participaram ainda da sessão a deputada estadual Ana Júlia, a vereadora Giorgia Prates e o vice-presidente do Conselho Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional de Curitiba (Consea), Felipe Thiago de Jesus.




Comments


Destaques

Anuncie aqui
bottom of page