São Silas

13 de julho

São Silas foi um dos notáveis na Igreja de Jerusalém. Aparece nos Atos dos Apóstolos, fazendo parte da deputação enviada de Jerusalém a Antioquia para fazer conhecidas as decisões do concílio de Jerusalém.


Ora, alguns vindos da Judéia, ensinavam aos irmãos: Se vos não circuncidais segundo o rito de Moisés, não podeis ser salvos. Tendo-se levantado uma viva altercação entre Paulo e Barnabé contra eles, resolveram que fossem Paulo e Barnabé e alguns outros consultar os Apóstolos e os presbitérios de Jerusalém sobre esta questão. Eles, pois, acompanhados (durante algum tempo) pelos membros da comunidade, iam passando pela Fenícia, e pela Samaria, contando a conversão dos gentios, e davam grande contentamento a todos os irmãos.


Tendo chegado a Jerusalém, foram recebidos pela Igreja, pelos Apóstolos e pelos anciãos, e contaram quão grandes coisas tinha feito Deus com eles, Mas levantaram alguns da seita dos fariseus, que tinham abraçado a fé, dizendo que era necessário (que os gentios) fossem circuncidados, e que se lhes intimasse a observância da lei de Moisés.


Ia reunir-se o concílio e os Apóstolos iam deliberar:


Reuniram-se, pois, os Apóstolos e os presbíteros para examinar a questão. Tendo-se suscitado uma grande discussão, levantando-se Pedro, disse-lhe:


– Homens irmãos, vós sabeis que Deus, há muito tempo, escolheu-me entre vós para que da minha boca ouvissem os gentios a palavra do Evangelho e cressem (nela). Deus, que conhece os corações, deu testemunho em favor deles, conferindo-lhes o Espírito Santo, como também a nós, e não fez diferença alguma entre nós e eles, purificando com a fé os seus corações. Logo, por que tentais agora a Deus, impondo um jugo sobre as cervizes dos discípulos, que nem nossos pais, nem nós podemos suportar? Mas, pela graça do Senhor Jesus Cristo, cremos ser salvos, do mesmo modo que eles.


Depois que se calaram, Tiago tomou a palavra dizendo:


– Homens irmãos, ouvi-me. Simão contou como Deus, desde o princípio, cuidou em tirar do meio dos gentios um povo para o seu nome. Com isto concordam as palavras dos profetas, como está escrito: Depois disso, voltarei, e reedificarei o tabernáculo de Davi que caiu, e repararei as suas ruínas, e o levantarei, a fim de que busquem a Deus todos os outros homens e todas as gentes, sobre as quais tem sido invocado o meu nome, diz o Senhor, que faz estas coisas, determinadas desde a eternidade (Am 9, 11-12). Por isso eu sou de opinião que se não devem inquietar os que, dentre os gentios, se convertem a Deus, mas que se lhes escreva que se abstenham das contaminações dos ídolos, da fornicação, das carnes sufocadas (1) e do sangue. Porque Moisés, desde tempos antigos, tem em cada cidade homens que o pregam nas sinagogas, onde é lido todos os sábados.


Chegara, assim, a hora da promulgação das decisões do Concílio:


Então pareceu bem aos Apóstolos e aos presbíteros, com toda a Igreja, eleger algumas pessoas dentre eles, e enviá-las a Antioquia, com Paulo e Barnabé. (Elegeram) Judas, que tinha o sobrenome de Barsabas, e Silas, pessoas eminentes entre os irmãos, mandando por mão deles esta carta: Os Apóstolos e os presbíteros irmãos, aos irmãos convertidos dos gentios, que estão em Antioquia, na Síria e na Cilícia, saúde. Tendo nós sabido que alguns, indo da nossa parte, perturbaram-vos com discursos que agitaram as vossas almas, aprouve-nos a nós, depois de nos termos reunido, escolher alguns homens, e enviá-los a vós com os nossos muito amados Barnabé e Paulo, homens que tem exposto as suas vidas pelo nome de Nosso Senhor Jesus Cristo. Enviamos, portanto, Judas e Silas que vos exporão as mesmas coisas de viva voz. Porque pareceu bem ao Espírito Santo e a nós não vos impor mais encargos além destes indispensáveis: Que vos abstenhais das coisas imoladas aos ídolos, do sangue, das carnes sufocadas e da fornicação, das quais fareis bem em vos guardar. Deus esteja convosco.


Eles, pois, tendo-se despedido, foram a Antioquia e, tendo reunido a multidão (dos fiéis), entregaram a carta, Tendo-a eles lido, encheram-se de contentamento pela consolação (que lhes causou). E Judas e Silas, como também eram profetas, consolaram e confortaram com muitas palavras os irmãos. Tendo-se demorado ali algum tempo, foram remetidos em paz pelos irmãos aos que lhos tinham enviado. Aprouve, porém, a Silas ficar ali, e Judas voltou só para Jerusalém. (2)


Depois do desacordo havido entre Paulo e Barnabé, por causa de João, o que tinha Marcos por sobrenome, Paulo, tendo escolhido São Silas partiu para a Síria e a Cilícia, onde confirmou as igrejas e ordenou que guardassem os preceitos dos Apóstolos e dos presbíteros.


Chegou a Derbe e a Listra. Havia lá um discípulo, chamado Timóteo, filho de uma mulher judia convertida à fé, e de pai gentio, e os irmãos, que estava em Listra e em Icônio, davam bom testemunho dele, Quis Paulo que ele fosse consigo; e, tomando-o, circuncidou-o, por causa dos judeus que havia naqueles lugares. Porque todos sabiam que o pai dele era gentio. Ao passar pelas cidades, recomendavam que guardassem as decisões tomadas pelos Apóstolos e pelos presbíteros, que estavam em Jerusalém. Assim, pois, As igrejas eram confirmadas na fé, e cresciam em número cada dia.


Tendo atravessado a Frísia e a província da Galácia, foram proibidos (por então) pelo Espírito Santo de anunciar a palavra de Deus na Ásia. E, tendo chegado a Misia, intentavam passar a Bitínia, mas não lho permitiu o Espírito de Jesus (3). Depois de terem atravessado a Misia, desceram a Tróade.


Durante a noite, Paulo teve uma visão: Apresentava-se diante dele, em pé, um homem da Macedônia que lhe rogava, dizendo:


– Passa à Macedônia, e ajuda-nos.


Logo que teve esta visão, procuramos (4) partir para a Macedônia, certificados de que Deus nos chamava a ir lá evangelizar.


Tendo-nos, pois, feito à vela de Tróade, fomos em direção à Samotrácia, e, no dia seguinte, a Neápolis; daí a Filipos, que é uma colônia (romana) e a primeira cidade daquela parte da Macedônia. Nesta cidade detivemo-nos alguns dias.


No dia de sábado, saímos fora da porta, junto ao rio, onde julgávamos haver um lugar de oração; e, sentando-nos, falávamos às mulheres que tinham concorrido. Uma mulher, chamada Lídia, da cidade dos tiatirenos; que negociava em púrpura, temente a deus, ouviu-nos; e o Senhor abriu-lhe o coração, para atender àquelas coisas que Paulo dizia. Tendo sido batizada ela e a sua família, fez este pedido, dizendo:


– Se julgais que eu sou fiel ao Senhor, entrai em minha casa e ficai nela. E forçou-nos (a isso).


E aconteceu que, indo nós à oração, veio-nos ao encontro uma jovem, que tinha um espírito píton, a qual com as suas adivinhações dava muito lucro a seus amos. Esta jovem, seguindo a Paulo e a nós, gritava, dizendo:


– Estes homens são servos de Deus excelso, que vos anunciam o caminho da salvação. E fazia isto muitos dias. Paulo, porém, enfadado, tendo-se voltado (para ela), disse ao espírito:


– Ordeno-te em nome de Jesus Cristo que saias dessa mulher. E ele, na mesma hora, saiu.


Mas, vendo seus amos que se lhes tinha acabado a esperança do seu lucro, pegando em Paulo e em Silas, levaram-nos ao foro às autoridades, e, apresentando-os aos magistrados, disseram:


– Estes homens amotinam a nossa cidade, sendo judeus, e pregam um gênero de vida, que não nos é lícito admitir nem praticar, sendo romanos.


Então o povo levantou-se contra eles, e os magistrados, rasgados os seus vestidos, mandaram que fossem açoitados com varas. Depois de lhes terem dados muitos açoites, meteram-nos numa prisão, mandando ao carcereiro que os guardasse com cuidado. Ele, tendo recebido esta ordem, meteu-os num segredo, e apertou-lhes os pés no cepo. Mas, pela meia-noite, Paulo e Silas oravam, cantando louvores a Deus, e os que estavam na prisão ouviam-nos.


Ambos os Apóstolos, miraculosamente, iam ser postos em liberdade.


Subitamente, sentiu-se um terremoto tão grande que se moveram os fundamentos do cárcere. Abriram-se logo todas as portas, e quebraram-se as cadeias de todos. Tendo despertado o carcereiro, e vendo abertas as portas do cárcere, tirando a espada, queria matar-se, julgando que tinham fugido os presos. Mas Paulo gritou em alta voz, dizendo:


– Não te faças nenhum mal, porque estamos aqui todos.


Então, tendo pedido luz, entrou dentro e, tremendo, lançou-se aos pés de Paulo e de Silas, e, tirando-os para fora disse:

– Senhores, que é necessário que eu faça para me salvar? – Eles disseram:


– Crê no Senhor Jesus, e serás salvo, tu a tua família.


E pregaram a palavra do Senhor a ele e a todos os que estavam em sua casa. E, tomando cuidado deles naquela mesma hora da noite, lavou-lhes as chagas, e, imediatamente foi batizado ele e toda a sua família. Feito isto, levou-os a sua casa, pôs-lhes a mesa, e alegrou-se com toda a sua família por ter crido em Deus.


Quanto foi dia, os magistrados mandaram os litores dizer:


– Põe esses homens em liberdade. O carcereiro levou esta nova a Paulo:


– Os magistrados mandaram pôr-vos em liberdade: Agora, pois, saindo daqui, ide em paz. Mas Paulo disse:


– Açoitados publicamente, sem julgamento, sendo cidadãos romanos, metidos no cárcere, e agora fazem-nos sair em segredo? Não será assim, mas venham, e tiram-nos eles mesmos.


Os litores referiram estas palavras aos magistrados, os quais, ouvindo (dizer0 que eram cidadãos romanos, tiveram medo, e indo, pediram-lhes desculpas, e tirando-os para fora, rogavam-lhe que saíssem da cidade. Saindo pois do cárcere, entraram em casa de Lídia; e, tendo visto os irmãos, consolaram-nos, e partiram (5).


Notas:

(1) Carnes de animais mortos aos quais não tiraram o sangue. (2) At 15, 1-34 (3) O Espírito Santo (4) São Lucas, o autor dos Atos dos Apóstolos, empregando o verbo na primeira pessoa, dá a entender que, pelo menos a partir deste momento, começou a ser companheiro do Apóstolo dos Gentios. (5) At 16, 1-40


Fonte: Vida dos Santos, Padre Rohrbacher, Volume XII, p. 446 à 453

Clique aqui para conhecer mais histórias de outras santas e santos.

1 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Siga nossas redes sociais

  • Facebook
  • Twitter
  • YouTube
  • Instagram

“Cristo é simultaneamente o conteúdo e a fonte do que a Igreja comunica ao proclamar o Evangelho”.

 

Aetatis Novae, Instrução Pastoral do Pontifício Conselho Para as Comunicações Sociais.