“Os pobres não podem pagar o preço mais alto da pandemia", afirma Papa Francisco

“É preciso uma forte vontade política que tenha a coragem de decidir mudar as coisas para que não sejam os pobres a pagar o preço mais alto desses dramas que estão atingindo nossa família humana”. É o apelo do Papa em sua mensagem aos Chefes de Estado reunidos para a XXVII Cúpula Ibero-Americana

Foto: Joka Madruga


O Papa Francisco enviou uma mensagem à Secretária-geral Rebeca Grynspan Mayufis, da Secretaria Geral Ibero-Americana por ocasião da XXVII Cúpula Ibero-Americana de Chefes de Estado e de Governo. Francisco lançou um apelo aos governantes das nações em um “contexto particularmente difícil devido aos terríveis efeitos da pandemia da Covid-19 em todos os âmbitos da vida diária”, para que a “a comunidade internacional se comprometa, unida, num espírito de responsabilidade e fraternidade, a enfrentar os muitos desafios já existentes, e os que virão”.


O Papa reconhece o sofrimento de todos os que perderam seus entes, recordando que a pandemia “não fez distinções e atingiu pessoas de todas as culturas, credos, estratos sociais e econômicos”. E louvou “o trabalho árduo dos médicos, enfermeiros, profissionais da saúde, capelães e voluntários que, nestes momentos difíceis, além de tratar os doentes, com o risco de suas vidas, têm sido a família e o amigo que lhes faltava”.

Vacina

Um dos pontos fundamentais da mensagem foi o apelo pela distribuição extensiva da vacina anti-Covid e escreveu:

“Quero reiterar que a imunização extensiva a todos deve ser considerada um ‘bem comum universal’, uma noção que requer ações concretas que inspirem todo o processo de pesquisa, produção e distribuição das vacinas”

Sugerindo: “Nesta área, são particularmente bem-vindas iniciativas que buscam criar novas formas de solidariedade em nível internacional [...] não baseada em critérios puramente econômicos, mas levando em conta as necessidades de todos, especialmente os mais vulneráveis e necessitados”.

Objetivo principal: a proteção da vida humana

Recordando que “devemos unir nossas forças para criar um novo horizonte de expectativas onde o lucro econômico não seja o objetivo principal, mas a proteção da vida humana. Neste sentido, é urgente considerar um modelo de recuperação capaz de gerar soluções novas, mais inclusivas e sustentáveis, visando o bem comum universal, cumprindo a promessa de Deus para todas as pessoas”.

Dívida Externa e Direitos Especiais de Saque

Francisco recordou também da questão da dívida externa dos países pobres afirmando que faz “parte integrante da nossa resposta comum à pandemia” sugerindo a renegociação para que os países pobres possam sobreviver. Para isso é urgente “tomar medidas”, afirmou o Papa para “permitir o acesso ao financiamento externo, através de uma nova emissão de Direitos Especiais de Saque [...] para que os fundos possam ser utilizados e todos possam sair da situação atual com melhores possibilidades de recuperação”.

Por fim o Papa afirmou:

“Nada disso será possível sem uma forte vontade política que tenha a coragem de decidir mudar as coisas [...] para que não sejam os pobres a pagar o preço mais alto desses dramas que estão atingindo nossa família humana”

Fonte: Jane Nogara - Vatican News

12 visualizações0 comentário