Nossa Senhora de Troia

Mês de agosto, sem dia definido

Festividade das gentes do mar, o Círio de Nossa Senhora de Troia, em Portugal, une os dois lados do Sado: a comunidade de pescadores de Setúbal de um lado, e a capela da padroeira dos pescadores, na Caldeira de Troia, do outro.

As primeiras alusões ao círio remontam a 1758, século XVI. No entanto, só nos últimos anos do século XIX surge uma clara referência da festividade como celebração da comunidade piscatória de Setúbal.


Pescadores e suas famílias celebram a vida e as suas gentes nesta romaria tradicional. Mesmo que as novas gerações estejam afastadas da pesca, esta celebração continua a expressar a identidade cultural e religiosa dos marinheiros de Setúbal, perpetuando a memória de todos os que têm feito do mar o seu modo de vida.

Para além da comunidade de pescadores, o círio é organizado com a colaboração da Paróquia de São Sebastião e da autarquia local. Festeja-se em agosto sem data certa, que as marés do Sado “são de humores”.

Os festejos iniciam-se com um tríduo em honra da Padroeira e dos marítimos que já pereceram, na Igreja de São Sebastião. Depois da missa solene, segue-se procissão pela cidade com os andores majestosamente ornamentados com plantas e flores, até ao Cais das Fontaínhas. Com a imagem de Nossa Senhora do Rosário na proa de um dos barcos, soam as buzinas e num frenesí de alegria se faz a partida para a Caldeira de Troia, onde os festeiros acampam.


As festividades junto ao areal incluem cerimónias religiosas, jogos tradicionais, bailes e arraiais e o tradicional fogos de artifícios. É também nos areais da caldeira que, habitualmente na manhã de domingo, decorre uma procissão.


O regresso das embarcações engalanadas a Setúbal, escoltando a imagem da Senhora, constitui outro dos pontos altos das festas. No percurso, inclui-se habitualmente uma passagem em frente da fortaleza de Santiago do Outão, que alberga um hospital ortopédico, onde é feita a bênção dos doentes.

O Círio concorreu às “7 Maravilhas da Cultura Popular”, de Portugal, sendo um dos 7 finalistas regionais.


Saiba mais em 7.maravilhas.pt

Fonte: Diocese de Setúbal

Clique aqui para conhecer outros títulos de Nossa Senhora.


1 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Siga nossas redes sociais

  • Facebook
  • Twitter
  • YouTube
  • Instagram

“Cristo é simultaneamente o conteúdo e a fonte do que a Igreja comunica ao proclamar o Evangelho”.

 

Aetatis Novae, Instrução Pastoral do Pontifício Conselho Para as Comunicações Sociais.