Buscar

Nossa Senhora de Loreto

10 de dezembro


A ditosa casa de Nazaré, onde, após a saudação do Anjo à futura Mãe de Deus, o Verbo se fez Carne, foi transportada, segundo a tradição, para a cidade de Loreto, na Itália.


A Santa Casa de Loreto foi o primeiro santuário de porte internacional dedicado à Santíssima Virgem tendo sido, durante muitos séculos, o verdadeiro centro Mariano da Cristandade.


Bento XV, em seu “Tratado de canonização dos Santos”, mesmo tendo declarado que não se trata de um dogma de fé, aceita a realidade da translação da residência da Virgem: “Todos os monumentos fornecem as provas: a tradição constante, os testemunhos dos pontífices romanos, assim como os milagres que não cessam de acontecer, confirmam o fato” e Sixto V, ao terminar a fachada da Basílica, mandou gravar em letras de ouro: “Casa da Mãe de Deus onde o Verbo se fez carne.”


João Paulo II lembra: ” Estas pedras corroídas pelo tempo, ícones do mistério da Encarnação, pelo qual “para nós, homens, e para a nossa salvação”, Deus, no momento da Anunciação, fez-se carne da Virgem Maria e fez-se homem assim como professamos no Credo”.


A habitação de Maria compreendia uma gruta cavada na rocha. Diante da abertura da gruta, havia um espaço circundado por três paredes; estas três paredes são as que constituem a Santa Casa e se tornaram objeto de veneração.


A humilde morada foi, de fato, misteriosamente transferida do Oriente para o Ocidente

Segundo a tradição firmada séculos mais tarde, a Santa Casa teria sido transportada de Nazaré, para a Itália, lá chegando no dia 10 de dezembro de 1294, precisamente na floresta de Loreto, perto do porto, no território de Recanati.


A Santa Casa é a própria testemunha de sua origem. Nós nos empenharemos em seguir esta peregrinação, a mais popular da Itália.


Se nos séculos XVI e XVII Loreto foi um dos principais pontos de peregrinação depois de Roma e de Santiago de Compostela, os primeiros testemunhos datam do ano de 1315; entre os bens do bispado, no território de Recanati, havia uma igrejinha no campo, dedicada à Virgem Maria; lá se venerava a imagem de uma Madona tendo o Menino Jesus nos braços.


Um pequeno castelo contendo quatro torres permitia que se evitassem eventuais ataques piratas vindos do mar e não havia nada que impedisse o ardor dos peregrinos; a capela, então venerada, acabou sendo descoberta. Estradas e pontes que levassem até ela foram construídas; as pessoas da região eram muito apegadas a ela e as criancinhas eram estimuladas pelas mães a se voltarem para o santuário a cada manhã, para saudar a Santa Habitação, que abrigou a infância de Jesus.


Com o tempo, um caminho de ronda, guarnecido de pedras grandes e arredondadas, fortificações, um campanário e uma cúpula completavam a arquitetura sagrada; a igreja, vista do exterior, adquiriu assim, a feição de fortaleza.


Os Papas têm, desde sempre, reverenciado Loreto

Podemos citar Urbano V, Urbano VI, o qual instituiu uma indulgência plenária, Nicola V e Pio II, que foram a Ancona para abençoar os cruzados. Em 1450, o impulso foi dado pelo próprio Papa Paulo II; artistas foram, então, convidados a fazer de Loreto o escrínio da Santa Morada, que foi revestida de mármore, sob a direção do arquiteto Bramante. Pintores, como Lorenzo Lotto, escultores como Lombardo, trabalharam com fervor para a edificação da igreja e para a sua decoração.


O Papa Julio II retirou Loreto da jurisdição do bispo de Recanati para atribuí-la diretamente à Santa Sé; quando terminou a era das cruzadas, Loreto tornou-se um centro de fervor, digno de substituir os lugares santos da Palestina, um centro Mariano europeu de suma importância, etapa tradicional em termos de peregrinações. É preciso imaginar peregrinos a viajar, de variadas formas, segundo seus recursos: nobres e ricos nas liteiras ou carruagens, com paradas para repousar, e os pobres, a pé, muitas vezes descalços, mulheres e enfermos sendo transportados em carroças; todos caminhavam em grupos de pelo menos trinta pessoas para evitar as emboscadas dos salteadores.


Para esse local de peregrinação convergiam celebridade e santos: Catarina de Sena, Francisco de Paula, Inácio de Loyola, Francisco Xavier, Francisco de Bórgia, Luiz Gonzaga, Carlos Borromeu, Benoît Labre, para citar apenas alguns, se sucederam na visita à santa morada e também a jovem Teresa Martin (Santa Terezinha do Menino Jesus).


Lugar de cura e conversão: Quando a nau de Cristóvão Colombo foi surpreendida pela tempestade, o navegador fez a promessa de enviar um peregrino a Santa Maria de Loreto, “a qual se encontra na região de Marche, província de Ancona, terra do Papa; é a casa onde Nossa Senhora realizou e continua a realizar numerosos e grandes milagres”.


Leão X publicou a célebre bula em favor da Sagrada Casa, na qual exalta, inicialmente, as glórias deste santuário incomparável e, a seguir, os grandes, inumeráveis e contínuos milagres que Deus opera nesta igreja, por intercessão de Maria. O Papa Pio IX, em particular, foi curado neste local. O Papa Pio VII perguntou ao rapaz se ele já havia pensado na santidade do estado religioso. O jovem respondeu que já havia pensado nisso, sobretudo após a doença que Deus se aprouvera em enviar-lhe, mas que sua saúde, naquele momento, não lhe permitiria esta atividade assim como a das armas.


Pio VII o consolou e lhe garantiu que ele ficaria curado se aceitasse consagrar-se inteiramente a serviço de Deus. Encorajado por estas palavras, empreendeu o jovem conde a peregrinação a Loreto para implorar, no quarto que fora de Maria, a sua cura, prometendo-lhe que, se obtivesse tal favor, ele abraçaria o estado eclesiástico. A Santíssima Virgem o atendeu. Ele foi radicalmente curado, retornando a Roma para se tornar padre. Estava com vinte e um anos. Mais tarde, Pio IX devia se desobrigar magnificamente desta dívida de reconhecimento para com a Virgem Maria, proclamando ao mundo o dogma de sua Imaculada Conceição. Às graças da cura se acrescentam as graças da conversão.


Quanto a São José de Cupertino, ele percebeu, durante uma visão, anjos penetrarem na casa, com as mãos plenas de dons celestes. A seguir, declarou a seu companheiro: “Olhai e vede as misericórdias de Deus que, como chuva abundante, inundam o santuário! Ó bendito lugar! Ó bem-aventurada morada!”


Fonte: Paróquia e Santuário de Nossa Senhora de Loreto

Clique aqui para conhecer outros títulos de Nossa Senhora.

8 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo